quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Liberte sua mente



Acredito que a maioria dos nossos problemas provém dos nossos pensamentos. Somos nós que criamos a realidade que desejamos vivenciar a partir do momento que escolhemos os nossos gostos, prazeres e objetivos... Vamos formando, assim, a nossa personalidade e colecionando desejos a serem realizados. Dessa maneira, qualquer coisa que saia fora daquilo que construímos para a nossa vida e do que consideramos como certo, nos faz sofrer.

Minimizar os sofrimentos, portanto, está intimamente relacionado a libertar a mente. Mas libertar a mente de quê? Dos nossos condicionamentos. Todas as escolhas que fazemos em nossa vida limitam a nossa felicidade. Cada vez que dizemos eu gosto disso, eu quero isso, eu faço desse jeito, eu sou assim,..., vamos limitando o nosso espaço dizendo que fora dele não há satisfação. Nós fazemos isso desde sempre e, por isso, há condicionamentos tão enraizados em nosso ser que a sensação é que eles sempre estiveram ali. 

A nossa mente sempre criará condicionamentos e só a preservaremos livres quando mantivermos o exercício de não acreditarmos que tais pensamentos condicionantes são as únicas possibilidades para a nossa realidade. Eles não são verdades absolutas. A notícia boa é que, apesar desses condicionantes estarem tão intrinsecamente acomodados em nossa mente,  nós podemos nos libertar deles. 

1) Antes de tudo, é preciso se colocar como observador do seu sofrimento. Tente olhá-lo de fora. Eu costumo me imaginar de frente para o meu problema. Esse exercício, às vezes, é difícil de ser feito no início, principalmente quando nos vemos mergulhados no sofrimento. Mas seja insistente em tentar.

2) Sendo espectador do seu sofrimento, procure agora analisá-lo: Quais são os pensamentos que o alicerça? Procure detectar os condicionantes, aquilo que você lá atrás criou como verdade, como desejo para você e que limitou o seu espaço de satisfação.

3) Tomando consciência de que isso é apenas um condicionante que você criou, você pode dizer para si mesmo: "Apesar desse meu sofrimento, eu liberto-me dos meus pensamentos condicionantes e permito que a paz inunde meu ser neste momento" Repita quantas vezes achar necessário, até que sinta-se em paz consigo.                                                                         

Toda escolha que fazemos na vida é como uma semente que plantamos em nossa jornada e que um dia desabrochará. Algumas vezes a colheita é boa, noutras precisaremos replantar. É importante exercitarmos a aceitação dos riscos da nossa semeadura, pois nem sempre colheremos as flores. Mas sempre poderemos retornar para o nosso EU, fonte de infinitas possibilidades, libertarmo-nos de nossos pensamentos condicionantes, refazermos nossas escolhas e aguardar novas colheitas.

Namaste